Como precificar o trabalho de redação freelancer

Como precificar o trabalho de redação freelancer

Você vai ler nesse post

Saber como precificar o trabalho de redação freelancer é um grande desafio, mas não precisa ser um problema.

Por não haver uma tabela base para os preços, a variação existente no mercado é muito grande e muitos freelancers acabam cobrando mais ou menos do que deveriam, e a partir daí os problemas começam a acontecer.

A precificação correta do trabalho de um redator freelancer influencia diretamente em 2 coisas: lucro e credibilidade.

Quando se calcula mal o preço do serviço, o primeiro que sofre é o lucro, pois ele tende a ser muito pequeno ou nem existir, prejudicando financeiramente o negócio e até a vida do redator, que começa a desanimar do trabalho e perde o foco.

Mas em relação à credibilidade você pode estar se perguntando: como o preço do meu trabalho afeta minha credibilidade?

Imagine uma concorrência entre um profissional que cobra R$ 0,02 por palavra e outro que cobra R$ 0,10 por palavra. A pessoa que está contratando tem conhecimento suficiente para avaliar a experiência e qualidade do trabalho, e também possui sensibilidade para identificar quando um preço faz sentido ou não.

Nesse cenário, na primeira avaliação a chance da contratante ver mais credibilidade no redator que cobra R$ 0,20 por palavra é maior, pois ela sabe que escrever demanda tempo e pela diferença de valor, o que cobra mais aparenta dar mais valor ao seu tempo e trabalho, e por ganhar mais, tende a trabalhar mais motivado e melhor.

O redator que cobra R$ 0,02 por palavra pode ser muito bom, estar apto a criar conteúdo de qualidade, mas o seu preço não fortaleceu a credibilidade e por isso as chances dele na concorrência diminuíram.

A verdade é que barato e caro é uma questão de percepção e vai variar conforme a visão de cada pessoa. Por isso é importante que você saiba como precificar o trabalho de um jeito que tenha lucro e passe credibilidade, sem a necessidade de ficar barganhando preço com cliente e fazendo com que ele veja o verdadeiro profissional que você é.

Por ver muitos profissionais passando por esse tipo de problema, eu decidi dividir com você nesse artigo a minha forma de precificar o trabalho de redação. Vamos lá?

Quanto cobrar como redator freelancer?

O preço ideal para você cobrar pelo seu trabalho como redator freelancer é aquele que permite a você pagar todos os custos do negócio, se pagar e ter lucro. Esse é o princípio básico da precificação.

Muitas pessoas na internet, principalmente em grupos nas redes sociais, quando perguntam sobre a melhor forma de precificar o serviço recebem respostas como:

  • “redator iniciante não pode cobrar mais do que R$ 0,05 por palavra”
  • “R$ 0,02 a palavra é bom preço pra começar”
  • “cobra entre R$ 0,05 e R$ 0,08 a palavra”
  • “começa cobrando uns R$ 0,10 por palavra que você não terá prejuízo”

A verdade é que cada redator trabalha em uma realidade diferente. O que eu cobro pode não ser o ideal para que você mantenha seu negócio, se pague e tenha lucro. Por isso é fundamental que você faça a sua precificação com base na realidade do seu negócio e não olhando para a realidade e experiência de outros profissionais.

E para que você não cometa esse erro e saia cobrando menos do que deveria e nem mais a ponto de comprometer suas negociações, eu vou mostrar para você o meu passo a passo de como precificar o trabalho de redação freelancer.

Mas antes você precisa entender que existem diversas formas de precificar: por palavra, por lauda, por pacote, por contrato etc.

Aqui eu vou mostrar para você como precificar por palavra, pois partindo desse modelo você poderá precificar qualquer outro formato sem prejuízo.

Como precificar o trabalho
Para um redator freelancer, tempo é dinheiro. Mas não adianta agilidade sem qualidade.

Como precificar o trabalho

Para precificar o seu trabalho como redator freelancer a ponto de ter lucro e fortalecer sua credibilidade vamos considerar os seguintes fatores:

  • despesas fixas
  • despesas variáveis
  • seu salário
  • sua margem de lucro
  • carga horária de trabalho
  • quantas palavras escreve por hora (incluindo pesquisa e atividades relacionadas)

Agora que você já sabe quais são os fatores que vamos utilizar na precificação, é hora do passo a passo.

Passo 1: Definindo as despesas fixas

As despesas fixas são aquelas cujo valor não muda mensalmente. Como é o caso do aluguel, honorário do contador, assinatura de serviços entre outros.

Liste todas as suas despesas fixas com seus respectivos valores e depois some para chegar ao total mensal delas.

Passo 2: Definindo as despesas variáveis

As despesas variáveis são aquelas cujo valor muda a cada mês ou que são esporádicas, como é o caso dos impostos, conta de água e luz, internet e material de escritório.

Aqui você precisará organizar as contas dos últimos 3 meses, somar os valores e dividir por 3 para encontrar uma média das despesas variáveis. Feito isso, analise se nos últimos 6 meses elas se mantiveram dentro dessa média. Se sim, ótimo, você encontrou, caso contrário, refaça os cálculos e encontre a média das despesas variáveis.

Passo 3: Definindo o seu salário

Esse é um dos passos mais importantes, afinal de contas você não quer trabalhar de graça. Defina quanto você quer receber todo mês pelo seu trabalho. Pense em tudo o que gosta de fazer e também no que deseja fazer a curto, médio e longo prazo.

O seu salário precisa ser um valor que você considere justo e que permita a você trabalhar motivado.

Passo 4: Definindo a margem de lucro

Ter uma margem de lucro é fundamental para a saúde de qualquer negócio, até mesmo o dos redatores freelancers. É esse lucro que permitirá a você reinvestir no negócio, trocar equipamentos e quem sabe no fim do ano se pagar um bônus. Defina qual o percentual de lucro que você deseja obter mensalmente.

Passo 5: Definindo a carga horária de trabalho

A carga horária é essencial para que a precificação do trabalho seja feita de maneira assertiva e lucrativa. Por isso defina quantas horas por dia você trabalhará.

Passo 6: Definindo a quantidade de palavras por hora

Para essa etapa você precisa saber quantas palavras escreve por hora, considerando o tempo de pesquisa e tudo o mais que está envolvido no processo de escrita.

Passo 7: Precificando o trabalho

Agora que você tem todas as informações em mãos é hora de começar os cálculos para que você cobre o preço justo pelo seu serviço e consiga ter lucro, saindo na frente de muitos redatores freelancers que cobram um preço muito baixo e no meio do caminho descobrem que estão levando prejuízo e compensam isso com atitudes que afetam a qualidade do trabalho e a credibilidade.

Como efeito de exemplo, vamos considerar um cenário mensal fictício de um redator freelancer que está enquadrado como MEI, não paga aluguel e tem apenas despesas básicas:

  • Despesas fixas: R$ 400,00
  • Despesas variáveis: R$ 150,00
  • Salário: R$ 2.500,00
  • Lucro: 15%
  • Carga horária: 6h/dia
  • Palavras/hora: 600

A primeira parte do cálculo consiste na fórmula abaixo:

(despesas fixas + despesas variáveis + salário) + % de lucro

Considerando o cenário apresentado, temos:

(400,00 + 150,00 + 2.500,00) + 15% = 3.507,50

Para que todas as despesas e o salário sejam pagos e tenha um lucro de 15% é preciso faturar R$ 3.507,50.

Agora que você já sabe quanto precisa faturar por mês é hora de descobrir quanto cobrar por palavra para chegar a esse faturamento.

A primeira coisa a se fazer é calcular quantas palavras você escreve por mês e considerando que você não trabalha finais de semana nem feriados, a base de cálculo será de 22 dias úteis por mês.

Para chegar nesse valor você deverá trabalhar com a fórmula a seguir:

(carga horária x 22) x palavras/hora

No cenário fictício teremos:

(6 x 22) x 600 = 79.200

Ou seja, trabalhando 6 horas por dia, durante 22 dias úteis com uma capacidade de 600 palavras por hora você consegue escrever 79.200 palavras por mês.

Com isso temos os valores base para o cálculo final:

(despesas fixas + despesas variáveis + salário) + % de lucro / (carga horária x 22) x palavras/hora

3.507,50/79.200 = 0,04

Nesse cenário fictício o redator freelancer deverá cobrar R$ 0,04/por palavra para conseguir pagar as despesas e o salário e ainda ter uma margem lucro para reinvestir no negócio ou pra usar em meses onde o faturamento for menor, desde que ele consiga escrever as 79.200 palavras ao longo do mês.

Como precificar o trabalho de redação freelancer - Fórmula com exemplo
Fórmula base para o cálculo do preço por palavra e exemplo de aplicação

Aí você pode estar querendo me perguntar o seguinte: Jonathan, eu consigo escrever esse volume de palavras, mas não tenho demanda suficiente para alcançá-lo. Devo aumentar o preço então?

Aumentar o preço é uma opção, vai levar você ao resultado. Mas você consegue sustentar esse preço maior para o cliente não achar que você está cobrando muito caro? Como você justificaria esse preço?

Por isso, tão importante quanto o preço é o quanto você consegue agregar ao trabalho para que o contratante enxergue primeiro o valor envolvido para só depois olhar o preço.

Você pode achar R$ 0,04 um preço baixo, acreditar que merece mais. E eu também acredito que você mereça, assim como existem empresas no mercado que podem pagar mais.

Por isso eu vou fechar esse artigo com algumas dicas para você se tornar um redator freelancer mais valorizado no mercado e se dar a oportunidade de ser contratado pelo valor que entrega e não pelo preço que cobra.

Como se tornar um redator freelancer mais valorizado

Para se tornar um redator freelancer de sucesso e mais valorizado você não precisa apenas aumentar sua capacidade de produção. O que você precisa mesmo é agregar outros conhecimentos capazes de melhorar a qualidade do conteúdo a ser criado.

É lógico que no cenário fictício que apresentei nesse artigo, quanto mais palavras por hora você escrever, mais barato fica o preço por palavra, mas você não deve baixar o preço e sim aproveitar sua produtividade para pegar mais serviço, respeitando sua carga horária.

Com isso você consegue aumentar o seu salário e até a margem de lucro mantendo um preço saudável tanto para você quanto para o mercado como um todo.

Mas para se tornar um redator freelancer valorizado é preciso entregar mais do que textos, você precisa entregar uma experiência de qualidade tanto para o contratante quanto para quem lerá o texto que você criou.

Para isso, minha sugestão é que você invista em conhecimentos específicos que agregarão muito à sua carreira como redator.

Veja a seguir uma lista com os conhecimentos que eu considero mais relevantes para todo redator que deseja se tornar a cada dia mais valorizado e requisitado pelo mercado.

  • Copywriting
  • SEO (de verdade, não as regras usadas por plugins de SEO como Yoast e RankMath)
  • UX e UX Writing
  • Arquitetura de Informação
  • Marketing Digital
  • Inbound Marketing

Com esses conhecimentos você aumenta as chances de se destacar no mercado, entrega conteúdos melhores e pode ganhar cada vez mais por isso.

Se conhecer algum redator que precisa saber disso, compartilhe com ele. E se tiver alguma dúvida ou sugestão, deixe nos comentários.

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Keith Ives
Keith Ives
20 dias atrás

Olá, Jonathan! Em primeiro lugar, conteúdo incrível. Em segundo lugar, tenho TANTO para comentar sobre ele.

Vou começar dizendo que descobri esse post na hora CERTA, porque hoje mesmo foi um daqueles dias “meu deus, acho que vou desistir da escrita e procurar um trabalho clt”. E nem foi um daqueles episódios isolados, venho pensando nisso há alguns dias e me sentindo numa rua sem saída.

De certa forma, sou redatora iniciante, porque só entrei nesse universo de cobrar pelo que eu escrevo agora. Mas na realidade mesmo, escrevo para a web há uns 7 anos. O ponto é que comecei a trabalhar com isso há 3 meses e para ser honesta, quase não vi retorno. Entre algumas armadilhas de plataformas aqui e uns pedidos de desconto em pacote ali, fiquei bem desmotivada.

Principalmente agora que a situação em casa deu uma agitada e mais do que nunca preciso de uma renda real, sabe? Vejo gente contando que faturou R$1000 no PRIMEIRO mês e fico pensando: o que eu estou fazendo de errado? Será que eu acho que escrevo bem e na verdade escrevo mal?

No fim das contas, trabalhei quase de graça para “ter portfólio” e “ter uma demanda mais fixa, apesar de pagar pouco” e mesmo assim os trabalhos “para portfólio” que peguei não me valeram de nada. Fiz algumas coisas que acho que deixariam a maioria dos redatores com urticária só de ouvir (incluindo, mas não se limitando a: traduzir 40 minutos de vídeo por R$30, escrever vários artigos de 1000 palavras com pesquisa envolvida por R$20; além de trabalhar 10h por dia, incluindo feriado e alguns fins de semana, etc)

Para ser bem honesta mesmo, em 3 meses tirei no máximo R$400 reais. Juro. No bruto.

Nesse meio tempo, fui estudando Inbound Marketing, Copywriting, os itens que você citou no post, que já faziam parte do meu universo porque antes de trabalhar com redação de sites e blogs eu trabalhei como estrategista digital, então foi até um pouco mais fácil. Estou estudando Análise de Dados, agora.

E o seu post me jogou uma luz, sabe? Porque vi um monte de gente dizendo que no começo você ia passar perrengue mesmo e provavelmente teria que trabalhar quase que de graça, mas já estava começando a achar que era eu que não levava jeito para escrever de verdade e que não era pra mim.

Eu achei que cobrar mais barato era necessário para conseguir os primeiros clientes, mas além de na maioria das vezes isso não dar certo, quando a pessoa entrava em contato e dizia que ia fechar comigo, por fim não fechava. Simplesmente parava de responder no meio da negociação, e eu não entendia o porquê, se tudo já estava praticamente resolvido.

Obrigada pelo post. Eu precisava desse empurrão. E para quem estiver passando por um momento parecido com o meu: você pode achar que deve cobrar barato porque não tem experiência comprovada ou habilidade ainda para valer o preço de sei lá, R$50 por 500 palavras.

Mas muitas vezes isso é insegurança nossa, sabe? Nem sempre temos o olho apurado para o próprio trabalho, e temos a tendência de sermos muito mais duros com nós mesmos.

Eu não posso dizer que você vai começar a vender mais quando cobrar um valor um pouco mais justo. Porque nunca fiz isso. Mas o que eu POSSO dizer, é que você não vai se encher de clientes só por cobrar mais barato que a concorrência.

Sorte para gente, e que todos possamos perseverar, porque acho que essa é a parte mais difícil. Tenham um ótimo dia.

Você vai ler nesse post

Compartilhe